quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Joguei e não recomendo: Ed Hunter




Definitivamente, o Maiden tem que se concentrar em fazer música, por que em games....




O ano de 1999 foi muito importante para os fãs do Iron Maiden. Bruce Dickinson e Adrian Smith estavam retornando a banda e uma turnê comemorativa chamada Ed Hunter marcaria o evento. Uma coletânea de mesmo nome foi anunciada, trazendo um disco duplo com as melhores músicas da banda. Como se tratava de uma coletânea sem novidade alguma, os fãs torceram o nariz, pois virão apenas um lançamento caça níquel a caminho. O que realmente chamou atenção foi o game homônimo que chegaria junto com o disco. Quem comprou a coletânea pelo jogo certamente jogou dinheiro fora.

Ao meu ver, Ed Hunter foi um diferencial para empurrar o disco sem novidades para os fãs, e quem fala isso é um fã incondicional da banda. Por isso eu asseguro a vocês, Ed Hunter é sem dúvida um dos piores jogos que já joguei, e não me interessa que o jogo seja um produto vindo da banda de Heavy Metal mais foda que existe. É um título que merece ser esquecido! Você controla Eddie, mascote da banda. Uma vez no comando do monstro o jogador terá de mandar bala em todos que tentarem parar sua ânsia de morte... O enredo é promissor, né?

Mas a trama não é a única parte sem sal do jogo. A mecânica é pior ainda! Você apenas controla a mira da arma com o mouse. É como se fosse um Duck Hunter, mas sem o brilho do clássico (prefiro atirar em patos, mesmo). O movimento do personagem pelo cenário é feito pelo próprio jogo. Por vezes você escolhe com um clique qual rota seguir, mas isso não muda o fato de que o jogador não tem controle sobre o personagem. A rotina é tão desgastante e simples que em 15 minutos você estará fechando o jogo, os menos pacientes o largarão em menos tempo!

O que me deixou mais indignado é que Ed Hunter tinha potencial, não pra ser um GOTY, é claro, mas pelo menos pra tomar umas duas horas do jogador. Os cenários são a parte boa do game, pois se baseiam nas capas e na história da banda. Na primeira fase, por exemplo, visitamos a famosa 22 Acacia Avenue. Há também o hospício de Peace of Mind, o cemitério de No Prayer for the Dying, e por ai vai... Além de explorar os temas da banda, a trilha é feita com as canções da coletânea. Nos poucos devaneios de paciência em que joguei Ed Hunter, me diverti em matar monstros ao som de Man On The Edge!

Infelizmente, Ed Hunter não passa de uma ideia pra vender uma coletânea. De modo geral, sabemos bem que o Maiden não precisa disso para vender nada. O jogo é dispensável, com uma mecânica jurássica e zero de diversão.  Ainda assim, houve boas vendas, pelo simples fato de ser algo do Maiden. Mas então, se você já possui todos os cd´s da banda na coleção não sinta a necessidade de comprar Ed Hunter, pelo menos não pelo jogo!  























Escrito por: Lipe Vasconcelos.





Um comentário:

  1. Realmente, de cara dá pra ver que não presta. Mas a banda é nota 1.000.

    ResponderExcluir