segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Análise: Super Smash Bros
















  


A Porrada vai comer no Nintendo 64



Há uma coisa que a Nintendo sempre soube fazer com excelência: Explorar suas franquias de todas as formas imagináveis, Mario é um exemplo bem claro disso. Ao longo dos últimos 20 anos, Mário e companhia já invadiu as pistas de corrida (Super Mário Kart), já se aventuraram no mundo dos esportes (Super Mário Tênis e Mário Golf), já participaram de um criativo jogo de tabuleiro (Mário Party), Rpg (Super Mário RPG) e até mesmo no mundo dos Puzzles (Tetris Attack e Dr. Mário). Mas essa turma nunca havia atacado no mundo das lutas. E logicamente, isso aconteceu!



Super Smash Bros foi lançado em 1999, para Nintendo 64. Até hoje continua sendo um dos melhores games de luta feitos para o console, além de ter dado fogo e originalidade para o gênero de modo geral. Super Smash Bros não trás apenas o Mário, mas sim todas as grandes estrelas da Big N. Vai dizer que nunca ficou curioso para saber quem venceria uma luta entre Mário ou Link? Pois é! Aqui o jogador pode ter esse combate. 

Enredo.

A história do jogo é bem… Digamos assim, estranha! Uma mão mágica retira de uma caixa de brinquedo alguns bonecos, monta uma arena de combate numa mesa e dá vida aos bonecos. Agora esses bonecos vão se enfrentar num torneio bem maluco para descobrir quem é o mais forte. O vencedor poderá enfrentar a mão mestre no combate final.

O time de guerreiros da Nintendo!

Em Super Smash Bros o jogador tem a disposição oito personagens jogáveis: Mário, Yoshi, Donkey Kong, Link, Samus Aran, Kirby, Fox McLoud e Pikachu. Além deles há quatro personagens secretos a serem destravados: Luigi, Captain Falco, Jigglypuff e Ness, este ultimo tirado do RPG Earthbound, que não é um dos games mais populares da Nintendo aqui no Brasil.









Houve um cuidado muito grande para que nenhum detalhe de nenhum heroi fosse perdido. Todos os personagens têm as suas características fundamentais tiradas de seus respectivos jogos. Link pode usar todos os golpes de espada presentes nos games da série Zelda, desde ataques mais simples até o poderoso Spin Attack. O Kokiri também usa o Hookshoot para trazer o oponente para perto e arremessá-lo pelo ar. Samus Aran pode usar sua habilidade de se transformar em bola, carregar seus tiros e dispará-los seguidamente. Mário tem suas habilidades tiradas do Super Mário 64, podendo socar, chutar, dar voadora e até mesmo dispara bolas de fogo pela mão. Kirby pode absorver temporariamente as habilidades do outro oponente, ou comer armas na arena de batalha para cuspir contra um adversário. Pikachu usa seus choques e ainda pode contar com o auxilio de outros Pokemon. Donkey Kong usa seus braços e sua força para lutar e desferir pancadas bem poderosas. Fox Mcloud possui armas espaciais e Yoshi a sua língua.

As lutas são do tipo, rápidas e frenéticas. O jogado deve ficar de olho no seu personagem o tempo todo, caso contrário, só o verá sendo arremessado para fora da arena constantemente. Super Smash Bros possui uma jogabilidade que contempla os casuais, pois não é preciso ficar fazendo sequências intermináveis no controle. Cada botão corresponde a um determinado ataque. Durante as lutas vão aparecer caixas e barris que contem itens, que podem ser usados ao seu favor. Usando a flor de fogo, um lutador pode cuspir rajadas de fogo por certo tempo; com o martelinho é possível sair martelando tudo que houver no seu caminho; com as pokebolas, um Pokemon vai aparecer para atacar o seu adversário, e assim por diante.




Alguns combates acontecem em dupla, sendo que o computador é quem vai controlar o seu parceiro. Nesses confrontos é preciso muita atenção para não se perder e ser derrotado a toa. Como a maioria dos jogos de Nintendo 64, o ponto negativo deste é a câmera, principalmente nas lutas onde há muitos personagens na tela (Yoshi e Kirby Team). O afastamento da câmera acaba por matar um jogo que deveria ser perfeito.


Parte Técnica.

Os gráficos não são o ponto alto da produção, mas o trabalho de arte é conservador e pega todos os elementos marcantes dos personagens, desde o design dos bonecos até a cenografia bem bolada. Mário tem os mesmo traços do Super Mário 64, assim como Link tem os mesmos de Zelda Ocarina Of Time. Mas Samus Aran chama mais atenção: Talvez, pelo fato de Metroid ser a única franquia celebre da Nintendo a não ganhar uma aventura no velho Nintendo 64. Foi bem interessante ver a caçadora de recompensas num molde 3D.




Os cenários recriam com fidelidade todos os locais marcantes de cada franquia presente no game. Os jogadores terão a chance de travar combates em lugares como o Castelo de Hyrule, a selva de Donkey Kong e o planeta Zeebos, do lendário Super Metroid. Alguns cenários, como o de Kirby ou Mario, poderiam ter um pouco mais de vida e detalhes mais bem aproveitados. Mas, são questões que pouco prejudica o excelente trabalho de arte da produção.

Os efeitos sonoros estão perfeitos. Todos os personagens têm vozes próprias, também retiradas de suas respectivas obras. É de rolar de rir enquanto estamos lutando com o Yoshi Team; eles choram e dão gritinhos engraçados quando estão apanhando. A voz do pikachu também esta impressionante, foi tirada da série animada, bem como dos outros Pokemon que surgem durante o combate. O som dos golpes, da espada de Link, dos tiros e pancadas, dão um feeling bem legal ao jogo. Mas o impacto dos efeitos junto às cenas de combate puxa mais pro lado cômico, para se adequar ao resto do game.




A trilha sonora é muito divertida, faz remixes dos temas clássicos dos games. Prepare-se para ouvir aqui o tema clássico do Super Mário World, Metroid e Star Fox. Há também o tema de Pokemon, tocada na arena de luta do Pikachu.

Além das músicas e das vozes, tem algo bem interessante. Parece que há uma espécie de platéia assistindo as lutas, pois todas as vezes que um determinado oponente é arremessado para fora da arena ou é acertado com um golpe especial, o jogador escuta aplausos, comemorações e ovações. Isso deixa as lutas bem mais emocionantes e divertidas.

Conclusão.

Super Smash Bros é com certeza um dos melhores jogos feitos para o Nintendo 64. Apesar de ser um excelente game, as câmeras podem comprometer a diversão, principalmente para aqueles jogadores que têm preconceito com games em terceira dimensão.




O mais importante é que a Nintendo soube desenvolver a idéia de forma fantástica. Um jogo de luta com os seus personagens foi uma idéia genial, tornando-se uma franquia muito importante na história da Nintendo. A idéia foi tão boa, que recentemente, a Sony fez algo parecido. Reuniu seus principais nomes em Playstation All-Stars Battle Royale.

Pare de ficar discutindo com os seus amigos se Fox Mcloud seria mais poderoso que Samus! Peguem os controles e disputem na porrada qual desses seria o melhor! Porrada entre os jogadores, é claro.



Notal Final





Análise escrita por: Lipe Vasconcelos.






Nenhum comentário:

Postar um comentário