terça-feira, 9 de maio de 2017

Artigo: Você não é tão herói assim.



Quando as coisas não são o que parecem!



Hoje os games possuem diferentes tipos de trama e nem sempre o personagem principal é o mocinho. Mas também há muitos games onde, por melhores que sejam as intenções do protagonista, nem sempre sua jornada vai acabar bem. As vezes ele pode achar que está fazendo o bem, ou sendo manipulado para que o resultado de sua busca seja catastrófica. A Save Point trás hoje alguns jogos com personagens que não são tão mocinhos assim, seja pelo contexto do enredo ou mesmo por decisões erradas que toma no decorrer do jogo. Como não se tratam de antagonistas, não colocarei aqui jogos como GTA. Também vale lembrar que haverá spoillers ao longo do texto.

Dante´s Inferno.



Baseado na "A Divida Comédia", de Dante Alighiere, Dante´s Infeno traz uma releitura do inferno nunca vista antes nos games. A principio a missão de Dante parece muito nobre: Descer os círculos do inferno para salvar a donzela das garras de Lucifer. Mas Dante está longe de ser esse cavaleiro dos contos de fada, simplesmente por que ele é o culpado por Beatrice sofrer na danação eterna. Antes de partir para as cruzadas, o cavaleiro jura fidelidade a Beatrice caso a moça se entregasse a ele. Mas aantes de partir, o bispo da igreja concede perdão aos cruzados por qualquer pecado que cometessem em sua viagem.



Claro que Dante levou isso ao pé da letra. ele poupa a vida de um inimigo dormindo com a mulher dele, mata e saqueia vilas de forma desnecessária e deixa sua raiva guiar seus passos. Dante também prometeu a Beatrice que protegeria o irmão dela, Francesco, que morre nas cruzadas enquanto Dante dormia com escravas. Beatrice acreditou tanto em seu amado que apostou a sua alma com o próprio Diabo. Conforme Dante desce os círculos, descobrimos o quanto ele era pecaminoso e perverso em vida. Ao fim, salvar Beatrice depende do quanto o cavaleiro se arrepende dos seus pecados, conforme o próprio Satan diz, aquele inferno pertence somente ao protagonista.

Silent Hill 2.



Considerado pelos fãs o melhor game da franquia, Silent Hill 2 trouxe um dos protagonistas mais infortunados da saga. James Sunderland vai a Silent Hill para procurar sua esposa, Mary, que o esperava no lugar especial deles. Isso seria muito comum, se Mary não tivesse morrido há três anos vítima de uma doença terminal! Mesmo sabendo disso, James segue por uma busca muito sinistra numa cidade coberta de névoa, habitada por manequins vivos, enfermeiras ensanguentadas e uma criatura gigante com cabeça de pirâmide e carregando uma espada.



Depois de passar por situações bem macabras, James descobre que não foi exatamente a doença que matou Mary, e sim ele mesmo! O fato é que James se cansou de cuidar de Mary por tanto tempo, ficando frustrado até sexualmente. No fim, ele acabou matando a própria mulher, mas por algum motivo, sua mente bloqueou isso. No fim, tudo que James viu na cidade foram criações de sua mente, como a sensualidade e a depressão que o levaram a matar sua amada. Há fãs que reforçam a ideia de que James teria se arrependido do que fez e se matado em seguida, motivo por qual ele não se lembrava de nada, e que Silent Hill para ele foi um purgatório que precisou atravessar, até ser perdoado por Mary e seguir adiante.

Gears of War.



De todos dessa lista, talvez Gears of War seja o jogo que mais esconde a “vilania” em nossas mãos. No game vivemos uma guerra violenta entre os seres humanos e os Locust, povo que vive no planeta Sera. Sim, sabemos que os Locust são seres brutais, que matam sem piedade e devem ser parados. Bom, isso tudo seria um motivo mais que suficiente para Marcus Fenix e sua equipe descerem bala nesses monstros, mas a maioria dos jogadores ignora um pequeno detalhe: Os Locust não são exatamente os vilões.



Acontece que os humanos colonizam o planeta Sera apenas para explorar os recursos naturais do lugar. O Imulsion é uma substância semelhante ao petróleo, e a exploração desse recurso desperta os Locust, que decidem ir à luta e livrar o planeta deles da exploração dos humanos. Claro que o jogo nos coloca vendo a situação do ponto de vista da raça humana, e nesse contexto, nós estamos ameaçados. Sabemos bem que Fenix está apenas defendendo o seu povo, mas não muda o fato de que os humanos são os invasores e não os Locust.

God of War.



Kratos se tornou um personagem muito querido pelos fãs de um bom game de ação. Mas não é novidade pra ninguém que Kratos nunca foi um herói, e ainda que o jogo sempre tenha tentado deixar isso evidente, os fãs simplesmente enxergam Kratos como um grande guerreiro salvador do mundo. Vamos analisar a situação de modo frio.

Kratos entregou sua alma à Ares propositalmente em troca de ter todos os seus inimigos mortos. Após isso, Kratos se tornou a máquina de matar de Ares na terra, e só se deu conta das coisas que fazia quando matou a própria família. O espartano aceitou dos deuses a missão de matar Ares e ter seu passado perdoado. E Assim aconteceu! Os deuses perdoaram Kratos de seus crimes e lhe deram o posto de Deus da Guerra, mas não poderiam apagar da memória dele tudo aquilo que foi feito. Irado, Kratos se torna tão destrutivo quanto o antigo Deus da Guerra, forçando Zeus a matá-lo. Depois de mudar seu destino e descobrir que era filho de Zeus, Kratos decide subir até o Olimpo e matar cada um dos deuses.



Mesmo que sua missão pareça justa, é inegável que os deuses deram a Kratos uma chance de redenção, mas parece que no fim, o espartano gosta mesmo é de descer o cacete em tudo e espalhar a destruição. Bom pra nós, que tivemos excelentes games.

Far Cry 4.



Ajay Ghale, protagonista de Far Cry 4, é uma verdadeira marionete no game. Ajay volta para Kyrat para jogar as cinzas de sua mãe em um local sagrado, conforme ela pediu. Chegando lá, ele descobre que o país é dominado pelo tirano Pagan Min, que adora mandar e matar. O Caminho Dourado, por sua vez, luta contra Pagan Min e deseja tirá-lo do poder. Onde Ajay entre nisso? Sendo filho do fundador do Caminhou Dourado, o rapaz acaba se envolvendo no conflito e fazendo missões para os dois lideres do grupo, Amita e Sabal, mas eles mesmos não chegam a um acordo.



Sabal é um líder espiritual que cultua os velhos costumes da tribo de Kyrat. Para ele, a tradição deve ser valorizada para manter a população unidade. Já Amita é a favor do progresso, a favor de políticas mais construtivas e contra as tradições ultrapassadas e machistas de Sabal. No fim, Ajay mata Pagan Min, mas sem antes de escolher entre matar um dos lideres do Caminho Dourado. O pior de tudo é que, independente de quem assumir o poder, no final das contas o Caminho Dourado se torna até mais cruel e sádico que o regime de Pagan Min. Aí você termina o jogo pensando: Será que Pagan Min era mesmo tão ruim? Ou ele estava apenas se defendendo dos rebeldes? No final das contas, você é o responsável por deixar Kyrat ainda pior, mesmo que sem querer! 

Shadow of the Colossus.



Claro que muitos já sabiam que este clássico do Playstation 2 estaria aqui. Wander é o protagonista do game, e seu objetivo é explorar as Terras Proibidas para derrotar dezesseis gigantes e salvar uma garota chamada Mono. Então uma entidade desconhecida, de nome Dormin, se apresenta ao garoto, dizendo que a única maneira de salvar a vida de Mono é derrotar os colossus, coisa que você fará por todo game.



Mas o que Wander não sabe é que os colossus não são seus inimigos. Na verdade, eles prendem fragmentos da alma de Dormin, que é o verdadeiro vilão do game. Ao ver Wander empunhando a única espada capaz de matar os gigantes, Dormin engana o garoto e o faz matar os colossus, apenas para que possa se libertar de sua prisão. Ao matar o ultimo colossu, Dormin domina o corpo de Wander, que é parado por um grupo de guerreiros que já o caçava e que sabiam que a entidade não poderia se libertar. Para tentar salvar sua amada, Wander, sem querer, acaba libertando um mal que nunca deveria retomar ao seu poder absoluto.

Killer 7.



Tentar entender o final desse Cult chamado Killer 7 é muito difícil. No ano de 1999 a humanidade consegue alcançar a paz mundial. Não existem mais bombas nucleares, nem internet ou mesmo aviões. O mundo é interligado por pontes, tudo para manter a prosperidade entre as nações. Mas no ano de 2005 um novo grupo terrorista surge, os Heaven Smiles, liderados por um homem chamado Kun Lan. O grupo utiliza seres mutantes invisíveis chamados de Smiling Faces, que explodem ao entrar em contato com qualquer outro ser vivo. Paralelo a isso, o Japão lança mísseis nucleares contra EUA, dando inicio a um conflito que está ligado ao surgimento dos terroristas.

A única maneira de combater essa ameaça é com a ajuda de um grupo de assassinos profissionais conhecidos como Killer 7. Eles são liderados por um velho chamado Harman Smith. Mas ao que parece, cada assassino do grupo parece existir como uma manifestação de múltiplas personalidades de Herman, e o único membro que parece ter contato direto com Herman é Garcian Smith, único assassino do grupo capaz de enxergar os mutantes.

Mas conforme o jogo avança tudo fica ainda mais estranho. Na verdade Garcian é o único que parece existir no grupo, como se o próprio Herman também fosse uma criação de algum outro individuo. A cada nova missão o jogador fica sabendo pequenos fragmentos sobre o passado de cada assassino do grupo, e até mesmo de como cada um aparentemente morreu! É somente na missão final que descobrimos que, de fato, o grupo não existe mais. No passado Garcian era um agente duplo, trabalhando tanto para o governo quanto para Harman. No momento certo, o homem matou seus demais companheiros e o próprio Herman. Mas isso o deixou tão perturbado que sua única saída foi assumir as identidades de seus velhos colegas. Isso explica o que Garcian leva em sua maleta (as armas dos outros assassinos), e por que ele é o único assassino capaz de reviver os demais, e até mesmo por que o jogo acaba quando Garcian morre em combate, mesmo que os outros seis personagens estejam vivos.



Mas quando tudo parece resolvido, Killer 7 nos joga uma fase “pós crédito”, onde Garcian parece finalmente ter deixado de lado suas demais personalidades. Nesta missão ele deve escolher ficar ao lado da America ou do Japão no conflito. Neste mesmo local vemos Garcian matar Harman e Kun, como se ele estivesse seguindo adiante e destruindo em sua mente todas as culpas. Mas não parece que isso fica resolvido, pois a cena final do game mostra o inicio do mesmo conflito que jogamos na campanha principal, com Harmam e Kun Lan se enfrentando mais uma vez, mas 500 anos após os eventos do game. Seja lá como for, fica claro que Garcian está longe de ser um herói da humanidade, e que tudo não passou de um jogo mental e doentio para ele.    



Escrito por: Lipe Vasconcelos.







Nenhum comentário:

Postar um comentário